Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

A IA será a chave para uma nutrição personalizada, concordam os especialistas

EIT Food anuncia criação de grupo de reflexão para promover o envelhecimento saudável

18/04/2024
Um estudo realizado pelo Observatório do Consumidor Alimentar do EIT afirma que a chave para uma nutrição personalizada é ter a opinião do consumidor em todos os momentos e compreender o seu comportamento em profundidade. A inteligência artificial também será fundamental para alcançar este objetivo.

A colaboração entre os agentes da indústria agroalimentar e a sensibilização da opinião pública serão pontos fundamentais para enfrentar os desafios que o sector terá de enfrentar num futuro não muito distante. Esta é a principal conclusão que se pode retirar da participação da organização europeia EIT Food no ‘Food 4 Future’. A organização europeia, que é parceira estratégica do evento, proporcionou uma visão europeia do sector agroalimentar e participou em várias mesas redondas nas quais se puderam ouvir especialistas, investigadores e agentes relacionados com a inovação no mundo da alimentação.

Amparo San José, diretora do Programa de Empreendedorismo Alimentar do EIT, durante a sua intervenção
Amparo San José, diretora do Programa de Empreendedorismo Alimentar do EIT, durante a sua intervenção.

A apresentação principal foi a de Klaus Grunert, professor do Departamento de Gestão, Alimentação e Saúde da Universidade de Aarhus (Dinamarca) e diretor do Observatório do Consumidor Alimentar do IET, das conclusões do estudo do próprio observatório, “Healthy Ageing and Food: Compreender os consumidores como base para promover escolhas alimentares saudáveis”. Begoña Pérez Villarreal, diretora-geral do EIT Food South, anunciou a criação do EIT Food Healthy Aging Think & Do Tank, que ajudará os diferentes agentes envolvidos na indústria agroalimentar a colaborar para encontrar soluções para um envelhecimento saudável.

Grunert explicou que as escolhas alimentares e a ingestão de alimentos são fatores importantes que determinam o nosso estado de saúde e podem conduzir a uma vasta gama de doenças. Além disso, afirmou que uma boa alimentação influencia o bem-estar muito para além do seu impacto nos problemas de saúde. No entanto, as pessoas mais velhas podem ter mais problemas, como papilas gustativas menos sensíveis, perda de apetite ou problemas na produção de alimentos e na preparação de refeições, e uma melhor dieta pode aumentar significativamente a sua qualidade de vida. Ainda assim, o professor insistiu que, independentemente das iniciativas que se tomem, a chave é ter sempre o consumidor a bordo e compreender bem o seu comportamento para que se possam fazer alterações no futuro.

É aqui que entra o papel da nutrição personalizada, uma ferramenta que Grunert descreveu como “um fator de oportunidade e um instrumento promissor”, mas que também gera reticências e tem as suas barreiras, como os custos, os benefícios pouco claros, as preocupações com o tipo de informação necessária, a falta de confiança nos algoritmos, na inteligência artificial ou na ciência, a dificuldade de utilização ou a privacidade dos dados.

A necessidade de sensibilizar a opinião pública

A apresentação fez parte de um painel de discussão em que vários especialistas se reuniram para debater a importância vital de promover um envelhecimento ativo e saudável, e em que todos concordaram com a necessidade de agir e sensibilizar o público.

Yvonne McMeel, da Universidade de Reading, sublinhou que é importante agir e implementar estratégias relacionadas com a nutrição personalizada. Na sua universidade, trabalham ativamente com adultos mais velhos e também com grupos desfavorecidos, onde o desenvolvimento de doenças não transmissíveis é mais provável. Suelen Tracastro de Souza, da Danone, alertou para o facto de que em Espanha, em 2030, mais de 30% da população terá mais de 65 anos, o que constitui um desafio para todos os agentes envolvidos na indústria agroalimentar, uma vez que “a alimentação e a nutrição são cruciais para um envelhecimento saudável”. Para ela, é fundamental uma mudança de mentalidade. Destacou também a inteligência artificial como uma das ferramentas do futuro para o desenvolvimento de uma nutrição personalizada.

De acordo com Ricardo Ramos, do IMDEA Food Institute de Madrid, o nosso corpo pode dar-nos sinais com base no que comemos, e é por isso que é necessário utilizar alimentos melhores ou mais completos. Assim, o seu centro efetua uma medição quântica através de biomarcadores que podem ser utilizados para prevenir doenças graves como a obesidade ou a diabetes. As novas gerações não vão ter tantos problemas, mas é necessário que as pessoas mais velhas confiem nelas", afirmou.

Kolbrún Sveinsdóttir, da Matis, afirmou que “mudar os hábitos alimentares da população não é uma tarefa fácil” e que todas as recomendações dietéticas que estão a ser distribuídas pela comunidade científica provavelmente não estão a chegar às pessoas. Acrescentou ainda que muitos consumidores não confiam nas alternativas proteicas que estão a ser desenvolvidas e que, por isso, é necessária divulgação e, sobretudo, transparência.

O evento de quarta-feira também incluiu uma palestra sobre as oportunidades e as barreiras dos novos materiais para a indústria de embalagens de alimentos, moderada por Juliet Bray, diretora do Programa de Aceleração Regional do IET para a Alimentação.

Françoise de Valera, da Pack2Earth, explicou que muitas empresas têm dado ênfase à reciclagem do plástico, mas isso não significa que este esteja isento de microplásticos. Françoise de Valera falou da necessidade de educar o consumidor e de lhe facilitar a vida. Consciente de que a variável preço continua a ser importante, explicou que, de momento, os seus produtos devem centrar-se no mercado premium.

Farayde Mata, da Bio2Coat, explicou que a sua empresa enfrenta atualmente dois desafios: regulamentação e financiamento. Mata explicou que a indústria tem “uma cadeia de abastecimento muito estabelecida e mudar um ingrediente significa mudar toda a cadeia”. Ele também lamentou que a sustentabilidade ainda não seja uma prioridade para parte da cadeia. De facto, o preço e outras variáveis são hoje mais importantes para muitos clientes.

Carmelo Heras, da Feltwood, uma start-up que participou na incubadora Seedbed do EIT Food, tem como principal missão “substituir o maior número possível de plásticos“por embalagens sustentáveis, como as que a sua empresa produz a partir de resíduos naturais (como laranjas, etc.). Acredita que é necessário que as empresas e os governos substituam o plástico. É otimista:”Um dia perguntar-nos-emos como poderíamos ter vivido com o plástico”, afirma.

Por último, Sofija Selkovnikova, da Lukss Pack, afirmou que muitas empresas em Espanha, apesar do imposto sobre o plástico, preferem pagá-lo em vez de optarem por materiais ecológicos. Alertou também para o facto de o greenwashing entre as empresas ser uma realidade e de haver falta de transparência entre as marcas no que diz respeito à prestação de informações.

Juliet Bray, directora do Programa de Aceleração Regional do EIT Food...
Juliet Bray, directora do Programa de Aceleração Regional do EIT Food, falou sobre as oportunidades e os obstáculos dos novos materiais para a indústria de embalagens alimentares.

A colaboração é a chave para o crescimento das empresas em fase de arranque

São muitos os fatores que determinam as chaves do sucesso de uma startup, e o aspeto financeiro nem sempre é o mais crítico. De facto, da mesa redonda realizada na terça-feira, concluiu-se que a colaboração com as empresas é muito mais fundamental do que o dinheiro para o sucesso destas alavancas.

Amparo San José, directora do Programa de Empreendedorismo Alimentar do EIT, afirmou que “um ecossistema alimentar próspero tem por base baseia-se ligações fortes”. San José alertou ainda para o facto de ser “essencial saber escolher a empresa certa para colaborar com uma startup”. Por sua vez, Tunyawat Kasemsuwan, diretor do Grupo de Inovação Global da Thai Union, apresentou a perspetiva empresarial. Através do seu programa Thai Union Ventures, a Thai Union investe em nove startups.

De acordo com Frederik Ploug, senior investment associate da Rockstart, uma aceleradora de startups fundada em 2011, a criação de sinergias com outros especialistas é essencial. E Jesús Deusa, FoodTech Venture Analyst do Plug and Play Tech Center, sublinhou a importância da colaboração, da inovação aberta para impulsionar e da paciência para o sucesso das startups. Ele também enfatizou o extenso histórico do Plug and Play, com mais de 2.700 startups apoiadas até 2023. Um destaque é que, em 2022, a Plug and Play atingiu o 30.º unicórnio do seu portefólio.

O último dia do evento encerrou com uma conversa entre especialistas em capital de risco. A sessão começou com uma visão geral do Corporate Venturing no sector foodtech, seguida de casos de sucesso e lições aprendidas. Líderes de grandes empresas e fundadores de startups visionários, como Javier Fernández, gerente do sistema de produção de culturas de alto valor na John Deere Ibérica; José Antonio Risquez Salas, diretor de Inovação e Desenvolvimento de Negócios da COVAP; Mariano Oto, CEO e diretor administrativo da Nucaps; Luis Chimeno, cofundador da Oscillum; e Nora Alonso, sócia geral da Swanlaab Venture Factory, compartilharam suas experiências e ofereceram insights e estratégias valiosas para navegar no dinâmico cenário da foodtech.

REVISTAS

Siga-nos

Media Partners

NEWSLETTERS

  • Newsletter iAlimentar

    10/07/2024

  • Newsletter iAlimentar

    03/07/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

ialimentar.pt

iAlimentar - Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Estatuto Editorial