Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Hardlevel poupa Portugal aos efeitos poluidores de mais de um milhão de toneladas de CO2 em oito anos

14/03/2023

Principal operador nacional na recolha e processamento de óleos alimentares usados (OAU) é um dos contribuintes líquidos de peso para as metas de neutralidade carbónica com que o nosso país se comprometeu. Na atualidade, quase 70% dos biocombustíveis produzidos em território nacional derivam da cadeia de processamento que dá uma segunda vida aos OAU.

Imagen

"Verto para o ralo do lava-loiça ou reservo num pequeno contentor para depois descartar convenientemente num oleão?”. Ainda há muitos portugueses a colocar diariamente esta questão, mas é notório um crescimento na consciencialização da importância do correto descarte dos óleos alimentares usados. Porque o gesto, aparentemente inócuo, tem um enorme impacto na nossa qualidade de vida e na sobrevivência do ecossistema planetário. Um simples litro de óleo de fritura consegue poluir cerca de um milhão de litros de água – aquilo que uma pessoa consome aproximadamente em 14 anos de vida.

Graças às respostas – e atos – ambientalmente mais sustentáveis dos consumidores tem sido possível à Hardlevel – Energias Renováveis, o principal operador nacional na recolha e gestão de OAU, dar uma segunda vida a tais resíduos, o que permitiu poupar a atmosfera ao efeito estufa de 1.139.536 toneladas de dióxido de carbono (CO2), nos últimos oito anos. Tudo por causa da simples canalização dos óleos alimentares usados para o circuito de fabrico de combustíveis verdes, com um índice baixíssimo de emissão de gases de efeito estufa (GEE).

O número, que deriva do OAU (limpo de impurezas, metais pesados e outros contaminantes) vendido pela Hardlevel para a refinação de biocombustíveis de última geração (como o SAF - Sustainable Aviation Fuel ou o HVO - Hydrotreated Vegetable Oil), faz da empresa lusa um dos grandes contribuintes líquidos para as metas de redução de GEE com que o nosso país se comprometeu, no roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050.

Atingir o patamar de neutralidade carbónica em 2050 significa reduzir as emissões de gases com efeito de estufa entre 85% e 90% até 2050 e a compensação das restantes emissões através do uso do solo e florestas, a alcançar através de uma trajetória de redução de emissões entre 45% e 55%, até 2030, e entre 65% e 75%, até 2040 (em relação ao ano-barómetro de 2005).

Como? Reforçando a capacidade nacional de sequestro de CO2 pelas florestas (e por outros usos do solo) e incentivando gradualmente a total descarbonização do sistema eletroprodutor e de mobilidade urbana. A meta implica ainda alterações profundas na forma como utilizamos a energia e os recursos, numa economia bem mais sustentada em recursos renováveis, utilizados de forma eficiente e tendo por base modelos de economia circular.

A Hardlevel atua em patamares críticos para o cumprimento destes desideratos, porque intervém nos processos de redução de emissões poluentes, emprestando valor (e aproveitamento) acrescentado aos resíduos de OAU criados pela população, e promovendo a economia circular. Ao mesmo tempo que ajuda Portugal a alcançar de uma maior independência energética.

A rede de oleões da Hardlevel – Energias Renováveis, em velocidade de cruzeiro na respetiva atualização com a última geração de oleões inteligentes (sensorizados com ligação à IoT – Internet of Things), serve estruturalmente cerca de cinco milhões de portugueses (140 municípios, 2.850 contentores de recolha), na atualidade.

O operador pretende chegar ao final de 2023 com uma rede de 165 autarquias parceiras e um global de 3.300 oleões espalhados pelo País. O que, relativamente a 2022, reflete expansão de 18% no número de concelhos abrangidos e de 16% no total de unidades de descarte de OAU.

Em 2022, entraram para a cadeia de processamento ambiental da Hardlevel 40 novas autarquias

Nas últimas semanas, a empresa assegurou a gestão de óleos alimentares usados com o município de Montemor-o-Novo (com 15 oleões Smart S+, para servir 15.799 munícipes) e renovou o serviço com o concelho de Mafra (um total de quase 87.000 residentes), acrescentando 17 oleões aos de 135 equipamentos existentes), num aumento de 12% da rede municipal. Idêntica renovação aconteceu em Rio Maior (21.000 habitantes).

“Quase 70% dos biocombustíveis que Portugal produz na atualidade derivam da cadeia de recolha, gestão e processamento de óleos alimentares usados. Existem ainda muitas oportunidades de crescimento no setor e a Hardlevel faz parte desse movimento, que trabalha em prol do desenvolvimento sustentável”, remata Salim Karmali, administrador e cofundador da Hardlevel, juntamente com o seu irmão, Karim Karmali.

REVISTAS

Siga-nos

Media Partners

NEWSLETTERS

  • Newsletter iAlimentar

    15/05/2024

  • Newsletter iAlimentar

    08/05/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

ialimentar.pt

iAlimentar - Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Estatuto Editorial