Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Artigo publicado na edição n.º 6 da revista iALIMENTAR

Macrotendências nos sistemas agroalimentares em favor da sustentabilidade

M. Helena Gomes, Senior Manager, Colab4Food*

Ana Sousa, Manager, Colab4Food*

* Colab4Food - Laboratório Colaborativo para a Inovação da Indústria Agroalimentar

Rua dos Lagidos, 4485-655, Vairão, Vila do Conde, Portugal

21/11/2022
foto

Contextualização

Em todo o mundo, os consumidores estão preocupados com o estado do meio ambiente e a sua perceção afeta o seu processo de tomada de decisão no momento da compra – quase 60% dos consumidores da União Europeia (UE) consideraram o impacto ambiental mais importante do que a marca do produto (Mintel Group Ltd, 2022).

No entanto, com o aumento do custo de vida, muitos consumidores ficaram mais sensíveis aos preços, mas continuam a exigir a sustentabilidade dos produtos: 13% dos consumidores tenciona deixar de comprar as marcas que não tenham em consideração na sua agenda a proteção do ambiente e do planeta, apesar de 63% dizerem que o preço elevado os pode demover de comprar produtos sustentáveis (Ferreira, 2022).

Simultaneamente, com a evolução do mercado e das preferências do consumidor, surge a necessidade de cadeias de valor mais responsáveis e sustentáveis. O grande aumento populacional esperado até 2050, a escassez de alimentos e a subnutrição são preocupações atuais e têm levado à definição de estratégias e metas pela Comissão Europeia. O Pacto Ecológico Europeu prevê um plano de ação para impulsionar a utilização eficiente dos recursos através da transição para uma economia circular, restaurar a biodiversidade e reduzir a poluição.

A sustentabilidade em sistemas agroalimentares

A sustentabilidade consiste na procura de soluções que impactam positivamente em (pelo menos) um destes círculos: meio ambiente, sociedade ou economia

A sustentabilidade consiste na procura de soluções que impactam positivamente em (pelo menos) um destes círculos: meio ambiente, sociedade ou economia. Atualmente, as empresas do setor agroalimentar devem incorporar, nos seus planos de sustentabilidade corporativa, ações alinhadas com as quatro grandes tendências:

  • Sustentabilidade dos sistemas alimentares, com foco na gestão, digitalização e restauração dos recursos naturais de modo a mitigar as alterações climáticas, promover a circularidade e tornar a agricultura e as cadeias de valor ambientalmente saudáveis, socialmente responsáveis e economicamente viáveis (Figura 1).
  • Uma só saúde, onde uma alimentação correta, e otimização de produtos (particularmente) de origem vegetal e funcionais, deve promover a saúde do homem, animais e ambiente.
  • Eficiência e inovação de produtos e processos industriais, com menores consumos de energia (de origem renovável) e menos emissões de gases com efeito de estufa, para se aumentar a viabilidade económica das cadeias de valor.
  • Conexão ao consumidor, cada vez mais participativo na tomada de decisão em todas as etapas das cadeias de valor.
foto
Figura 1.
Por outro lado, a implementação de procedimentos rigorosos que permitam total rastreabilidade na cadeia alimentar em países europeus apressa o desenvolvimento de regulamentos restritivos. Este fator, aliado à desigualdade em cuidados de segurança alimentar praticados por outros países fora da UE, tem suscitado o desenvolvimento de regulamentos adicionais para importação de produtos de países terceiros. Estes regulamentos visam promover a autenticidade e transparência em toda a cadeia alimentar. Neste sentido, torna-se importante fazer uma monitorização contínua de nova regulamentação que traga implicações a qualquer um dos setores, desde o primário ao terciário.

Os consumidores assumem o controlo

Os consumidores acreditam que o seu comportamento pode ter um impacto positivo no meio ambiente e as empresas produtoras e comercializadoras devem ser mais transparentes para conseguirem conquistar a sua confiança e intenção de compra.

Uma estratégia a adotar passará por aderir a sistemas de certificação por entidades terceiras e selos de certificação como eco-score ou product environmental footprint (PEF), produção biológica, bem-estar animal, fair trade, entre outros, para garantir princípios de proteção do ambiente, clima, biodiversidade, vida animal, trabalho decente e preços justos, assim como quantificar indicadores de consumos de água, energia, emissões de carbono, redução de desperdício, reutilização e reciclagem de matérias-primas e materiais. As alegações voluntárias dos operadores (self-declared claims) devem ser claras e verdadeiras, sob pena de as falsas alegações sobre a pegada ambiental dos seus produtos (greenwashing) resultarem no boicote das marcas pelos consumidores. A transparência da comunicação pode ser otimizada com a traceabilidade digital, em que um código QR transporta o consumidor para uma visita guiada ao agricultor e ao processo produtivo, ajudando os consumidores a fazer escolhas.

foto

O consumo responsável, particularmente em dietas ricas em plantas, apoiando os agricultores e as comunidades rurais, preservando os ecossistemas mais frágeis e reduzindo o desperdício, irá reduzir as pegadas de carbono e mitigar as mudanças climáticas, além de melhorar a saúde humana (ONU, 2022).

Nesse sentido, também a pecuária europeia e os sistemas agrícolas que a suportam têm apostado na otimização de recursos, bem-estar animal, equilíbrio ambiental e na regeneração de ecossistemas.

No futuro (ainda muito incerto), o consumidor continuará a procurar manter um sentido de controlo sobre a sua vida, ou seja, consumir de forma responsável e exigindo uma produção mais eficiente e empresas que atuam positivamente ao nível ambiental, social e de governança corporativa.

No entanto, é relevante que a sustentabilidade não se limite apenas ao compromisso das empresas. Deverá continuar a existir um trabalho multidisciplinar, com incentivo das próprias entidades governamentais, para a investigação e inovação. Nesse sentido, o Colab4Food é o laboratório colaborativo para a inovação da indústria agroalimentar, e tem vindo a promover a cooperação entre entidades académicas e empresariais na procura de soluções sustentáveis e na preservação dos ecossistemas.

LFA

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

ialimentar.pt

iAlimentar - Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Estatuto Editorial