Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa
Os últimos relatórios da GFI mostram que as vendas de carne vegetal atingiram máximos recordes em toda a Europa até 2021

Vendas de carne de origem vegetal aumentaram 19% para um recorde de 2,3 mil milhões de euros na Europa em 2021

The Good Food Institute Europe20/09/2022

As vendas de carne vegetal na Europa Ocidental aumentaram 19% para um recorde de 2,3 mil milhões de euros (2,6 mil milhões de dólares) em 2021 - mais elevadas do que na América do Norte, onde as vendas foram de 1,9 mil milhões de euros (2,1 mil milhões de dólares). Isto de acordo com relatórios anuais sobre o estado do setor da ONG de sustentabilidade alimentar The Good Food Institute (GFI).

As vendas globais de carne à base de plantas cresceram 17% para 5,15 mil milhões de euros (5,6 mil milhões de dólares) em 2021. Na Europa Oriental, as vendas também aumentaram acentuadamente, em 34% para 176,6 milhões de euros (192 milhões de dólares), de acordo com dados do Euromonitor.
Os relatórios do GFI fornecem análises especializadas dos últimos desenvolvimentos nos setores da carne de cultura, fermentação e produtos do mar alternativos - desde avanços tecnológicos e atualizações de políticas governamentais até dados de investimento e vendas.
foto
As empresas de carne cultivada contaram com um investimento de 111 milhões de euros em 2021.

Os desenvolvimentos realizados no último ano por empresas de proteínas alternativas e por cientistas e investigadores estão a ajudar a satisfazer a crescente procura de carne, ao mesmo tempo que abordam os problemas causados pela agricultura animal, que é responsável por 20% de todas as emissões de gases com efeito de estufa.

Para além destes importantes benefícios sociais, os relatórios mostram que o investimento no setor europeu não está a progredir tão bem como noutras partes do mundo, e o The Good Food Institute Europe apela aos governos para que forneçam o financiamento essencial para assegurar que o continente beneficie do florescente setor das proteínas alternativas e sustentáveis.

Destaques do relatório

O relatório é mais uma prova de que as principais empresas reconhecem o potencial para alimentos sustentáveis na Europa, com a JBS - a maior empresa mundial de carne convencional - a adquirir a empresa holandesa de alimentos de origem vegetal Vivera e a empresa espanhola de carne cultivada BioTech Foods. Nomad Foods - a maior empresa de alimentos congelados da Europa - anunciou também uma colaboração com a BlueNalu que trabalha em produtos do mar cultivados.

Por outro lado, novas empresas entraram no mercado em 2021, a lançarem dezenas de novos produtos. Um exemplo é a marca espanhola Heura, que lançou a sua carne de porco, salsichas e chouriço à base de plantas; o retalhista suíço Migros, que lançou o seu ovo cozido à base de plantas; ou a Nestlé, que lançou um produto de camarão à base de plantas feito de algas e ervilhas.

Os operadores de serviços alimentares também responderam à procura crescente. A McDonald's lançou o hambúrguer McPlant, a marca dinamarquesa Naturli', em parceria com o produtor de frango convencional Scandi Standard, para levar os Green Nuggets à base de plantas para as estações de serviço, e a Novish trouxe produtos do mar à base de plantas para restaurantes de marisco convencionais.

foto

As empresas europeias de fermentação também se expandiram, com a The Protein Brewery a concluir a construção da sua fábrica piloto na Holanda, concebida para produzir 100 kg por dia de Fermotein, um fungo que pode ser utilizado como ingrediente em carne e marisco sem animais. Da mesma forma, a fábrica sueca de Mycorena e a fábrica de ENOUGH na Holanda abrirão este ano, enquanto que a finlandesa Solar Foods deverá completar as suas instalações em 2023 para produzir Solein, uma proteína criada a partir do ar.

Finalmente, as empresas europeias fizeram avanços tecnológicos: o Novameat 3D espanhol imprimiu o “maior bife cultivado do mundo” e o Juicy Marbles esloveno criou um filé mignon inteiro, à base de plantas, utilizando uma técnica que coloca fibras de soja e de proteína de trigo e aplica óleo de girassol para obter uma textura marmoreada.

O investimento europeu em proteínas alternativas

Embora as empresas europeias de proteínas alternativas baseadas em plantas tenham angariado 2,2 mil milhões de euros no ano passado, a maior parte veio de fusões e aquisições, e o montante de capital investido foi inferior ao de outras regiões. Assim, receberam 228 milhões de euros de capital em 2021, o que os coloca atrás da América do Norte com 1.031 milhões de euros e da América Latina com 285 milhões de euros.

Quanto às empresas de carne cultivada, angariaram 111 milhões de euros (121 milhões de dólares), em comparação com 643 milhões de euros (699 milhões de dólares) nos EUA e 345 milhões de euros (375 milhões de dólares) em Israel.

As empresas de fermentação angariaram 117 milhões de euros (127 milhões de dólares) de capital investido, enquanto que as empresas norte-americanas angariaram 1,4 mil milhões de euros (1,5 mil milhões de dólares).

Carlotte Lucas, Corporate Engagement Manager no The Good Food Institute Europe e oradora no 5º Fórum Alternativo à Carne e Proteínas, afirma: “Os nossos relatórios sobre o Estado da Indústria mostram que 2021 foi um ano marcante, com as vendas de carne à base de plantas a atingirem um recorde de 2,3 mil milhões de euros na Europa Ocidental e grandes empresas a reconhecerem a importância de proteínas sustentáveis. No entanto, o relatório também realça até onde ainda temos de ir, uma vez que os investimentos estão abaixo dos vistos noutras partes do mundo”.

Neste sentido acrescenta: “as empresas europeias têm sido líderes na inovação nesta área, mas se nos compararmos com outras regiões - especialmente os EUA e Israel - que levam este mercado mais a sério, há um risco real de que a Europa fique para trás. A transformação da produção de carne é essencial para que os governos europeus possam cumprir as suas metas climáticas. Para o conseguir, os setores público e privado devem financiar a investigação de acesso aberto e a infra-estrutura da cadeia de abastecimento para democratizar o conhecimento de proteínas alternativas e abrir o mercado a produtores de todas as formas e tamanhos. Devem apoiar o progresso no sentido de uma carne cultivada e vegetal deliciosa e acessível, tal como têm apoiado o desenvolvimento de energias renováveis de baixo custo, para fazer escolhas sustentáveis fáceis para os consumidores”.
LFAExposalão - Centro de Exposições, S.A. : expo Alimenta

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Suscripción a nuestra(s) newsletter(s). Gestión de cuenta de usuario. Envío de emails relacionados con la misma o relativos a intereses similares o asociados.Conservación: mientras dure la relación con Ud., o mientras sea necesario para llevar a cabo las finalidades especificadasCesión: Los datos pueden cederse a otras empresas del grupo por motivos de gestión interna.Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: contacte con nuestro DPD. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Más información: Política de Protección de Datos

ialimentar.pt

iAlimentar - Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Estatuto Editorial