Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Um livro, publicado pelo CSIC e Catarata, fornece recomendações práticas para identificar informações falsas sobre superalimentos e separar as provas científicas da especulação

Os superalimentos existem mesmo?

Redação Interempresas/iALIMENTAR11/01/2022
Gengibre, curcuma (açafrão-da-terra), açafrão-da-índia, goji, são apenas alguns dos muitos produtos que são frequentemente rotulados como superalimentos. Esta lista tem crescido nos últimos anos, mas a verdade é que não existe uma definição legal ou científica do termo.
Muitas das afirmações feitas sobre os seus efeitos na saúde têm uma base científica duvidosa, ou incluem meias verdades, porque se baseiam principalmente em campanhas publicitárias em vez de investigação nutricional.

A investigadora do CSIC Jara Pérez é a autora de 'Superalimentos', o novo título da coleção 'O que sabemos sobre?' (CSIC-Catarata), que visa contextualizar o uso destes alimentos na nossa dieta, compará-los com os que habitualmente consumimos e explicar as propriedades reais de alguns deles, de acordo com o conhecimento científico. “A minha intenção é oferecer um guia prático para que os consumidores possam ter uma ideia geral de como lidar com um superalimento, dar conta das provas científicas por detrás da informação que recebem sobre ele e assim poderem fazer escolhas bem documentadas”, diz a cientista do Instituto de Ciência e Tecnologia Alimentar (ICTAN).

foto
Embora não exista uma definição oficial, “pode dizer-se que os superalimentos são alimentos de origem geralmente exótica que não faziam parte da nossa dieta regular até há alguns anos, mas que foram promovidos nos últimos tempos devido aos seus efeitos aparentemente muito poderosos sobre a saúde”. Este “poder” nem sempre é consagrado pela comunidade científica, razão pela qual a autora começa o seu texto explicando como é feita a investigação nutricional para determinar se um alimento é ou não benéfico para a nossa saúde. Nesta base, a especialista em nutrição analisa vários grupos de superalimentos a fim de, em alguns casos, os desmontar e, noutros, explicar ao pormenor as suas propriedades e como podem ser incorporados na nossa dieta para que possamos realmente beneficiar do seu consumo.

Bagas de Goji vs cenouras

Um clássico nos dez primeiros superalimentos são os que contêm antioxidantes, especialmente polifenóis, um grupo de compostos que podem reduzir o risco de doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2. É aqui que entram as bagas de goji. Todos já ouviram falar deste produto, que vem de terras distantes, mas poucas pessoas saberão que é semelhante a uma planta cultivada em Almería, e que tem propriedades semelhantes.
Publicita-se muito, e é verdade que as bagas de goji contêm polifenóis, “mas em quantidades semelhantes a muitas outras frutas, tais como ameixas”, diz Jara Pérez. Outro componente para o qual eles se destacam é o Betacaroteno. “Insiste-se que o seu conteúdo é superior ao das cenouras, mas também é verdade que com o consumo de 50 gramas de cenouras estaremos a cobrir as necessidades diárias deste composto”.
foto
As bagas de goji contêm quantidades semelhantes de polifenóis a frutos comuns, tais como ameixas.
Além disso, acrescenta a investigadora, “outra questão a considerar é o preço destes produtos, porque um quilo de bagas de goji custa normalmente cerca de 15 euros, enquanto a mesma quantidade de cenouras custa pouco mais de um euro”. Isto leva-nos a uma das mensagens mais reiteradas: no campo da alimentação, um produto mais caro não significa que seja melhor do ponto de vista nutricional. “Se gostamos de comer bagas de goji, açaí (uma fruta tropical sob a forma de batido) ou qualquer outro alimento incluído nestas listas, podemos comê-lo, mas os antioxidantes, como outros compostos associados a superalimentos, estão presentes em todos os alimentos do reino vegetal, pelo que garantiremos uma ingestão suficiente se comermos grandes quantidades de fruta, vegetais, leguminosas, frutos secos e cereais integrais”, diz a perita do ICTAN.

Superalimentos detox que podem causar intoxicação

Outro dos grandes intervenientes nestes “super-heróis“nutricionais são os produtos de desintoxicação. A questão é que”os nossos corpos já têm poderosos sistemas desintoxicantes como o fígado, rins, pulmões e pele. Muitos dos alimentos promovidos sob este rótulo têm apenas bons perfis nutricionais e são adequados para inclusão numa dieta saudável, mas não nos vão desintoxicar”, diz Jara Pérez. Muito pelo contrário. No caso dos batidos verdes, preparados com grandes quantidades de vegetais, como espinafres ou acelgas, que alguns gurus recomendam beber até um litro por dia, podem tornar-se um produto nocivo. "Estes tipo de verduras são ricas em ácido oxálico e cálcio. A união destes dois compostos gera oxalatos, que formam o que é conhecido como pedras nos rins. E na verdade, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) identificou, em 2016, níveis de ácido oxálico nos batidos verdes como um risco alimentar emergente.
foto
O texto explica as propriedades reais e os efeitos destes produtos na saúde, e inclui recomendações para a deteção de fraudes alimentares.

Supercereais, superedulcorantes e sal 'bom'

Os cereais também têm o seu lugar neste mundo. A espelta ou trigo-vermelho, o kamut, ou o trigo sarraceno enchem as nossas padarias, mas, mais uma vez, não devemos ficar cegos pelo exótico, nem devemos pensar que o que é mais agradável aos nossos sentidos pode ser mais saudável. Neste sentido, a autora recomenda que o rótulo no pão que comemos deve simplesmente indicar que se trata de farinha integral. “Os regulamentos atuais estabelecem que para que um pão receba esta designação, deve ser feito inteiramente com farinha integral, ou, caso contrário, a quantidade utilizada deve ser expressamente indicada”, explica Jara.
Algo semelhante acontece com os edulcorantes. Muitos são anunciados como mais saudáveis, mas em todos os casos estamos a falar de produtos que contêm entre 70 e 95% de açúcar, pelo que “a ideia que devemos estabelecer é que devemos reduzir a ingestão de açúcares livres na nossa dieta, independentemente da sua apresentação. Não se trata de ter três bolachas por semana feitas com açúcar mascavado, porque isso é mais saudável, mas de as consumir esporadicamente e escolher o adoçante de que mais gostamos”.
O sal é outro produto cujo consumo precisamos de reduzir, mas mais uma vez está a surgir uma alternativa promissora: o sal rosa dos Himalaias. Para começar, vem da segunda maior mina de sal do mundo, no Paquistão, longe de um ponto bucólico. Os defensores dizem que é melhor do que o sal normal porque é rico em minerais, mas mais uma vez, as quantidades são importantes. Segundo o autor, deveríamos consumir 50-600 gramas de sal rosa para ingerir os mesmos minerais que os alimentos saudáveis comuns, tais como sardinhas em óleo, feijão branco ou pistácios.
O investigador também chama a atenção para os suplementos alimentares, que, para além da rotulagem duvidosa, podem ser perigosos. De facto, tornaram-se um clássico na lista de riscos alimentares emergentes publicada todos os anos pela EFSA. Estes produtos são vendidos como “naturais”, mas não se deve esquecer que “um medicamento será sempre mais seguro do que um suplemento alimentar em termos de composição, dosagem, resultados e efeitos secundários estudados”.

O importante é a dieta

Para além de ter em conta as propriedades e preços, o consumo de um destes superalimentos não deve levar-nos a negligenciar o resto dos produtos que comemos. Segundo a especialista em nutrição, “o importante é assegurar uma dieta saudável e equilibrada, porque numa dieta baseada em cereais refinados, produtos muito doces e produtos ricos em gordura de má qualidade, a adição de um punhado de bagas de goji ou duas colheres de chia não terá qualquer efeito benéfico”.
O texto termina com uma secção sobre como desvendar as fraudes alimentares, porque “os superalimentos não existem, pelo menos não com a ideia de que estão associados a propriedades curativas, únicas e independentes da dieta como um todo. A chia é tão 'super' como as lentilhas ou uma laranja”, diz Jara. A chave, portanto, é consumir alimentos que se enquadrem na categoria saudável. “Temos de cuidar do perfil geral da dieta e, a partir daqui, é uma escolha pessoal se devemos incluir estes alimentos conhecidos como superalimentos, mas ninguém deve pensar que não podem comprar este tipo de produtos, porque existem opções equivalentes e acessíveis”, conclui a cientista do CSIC.

Os 'superalimentos' é o 129º livro da popular coleção de ciência 'O que sabemos sobre?'. O livro está disponível em livrarias e na Web da Editorial CSIC e 'Los Libros de la Catarata'. Para entrevistas com a autora ou mais informações, contacte: g.prensa@csic.es.

Exposalão - Centro de Exposições, S.A. (TECNIPÃO) 27 a 29 de Março 2022Jaba: tradução 4.0

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

ialimentar.pt

iAlimentar - Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Estatuto Editorial