Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Sem fundamentalismos

Pedro Queiroz | Diretor-Geral da FIPA

*Artigo de opinião publicado no boletim quinzenal da FIPA

10/05/2021

Não é novidade que estamos mergulhados numa profunda crise. Neste contexto, a estabilidade social e política é um dos caminhos mais adequados para mitigar os seus impactos, quer pelo bem-estar dos cidadãos quer pela competitividade das empresas.

No entanto, em contracorrente, são muitos os “factos” ou “contra-factos” que proliferam e se disseminam, transversalmente, nas diversas camadas da sociedade.

As designações podem ser diversas - “fake news”, rumores, inverdades -, e surgem sobre os mais variados assuntos. Geram fenómenos de desinformação, resultam em dúvidas e inseguranças e, não raras vezes, em decisões infundadas.

Este cenário é especialmente crítico, quando se refere a assuntos relacionados com a indústria agroalimentar não só no que diz respeito à vertente da alimentação e saúde, mas também, por exemplo, no que se refere às questões sobre os processos de produção ou sustentabilidade ambiental.

Com base em preferências e opiniões, muitas vezes fundamentalistas, estes temas são trazidos à luz do dia.

foto
Diretor-Geral da FIPA.

Dão origem a modas e tendências alimentares, sem fundamentos especializados; diabolizam tipos de embalagens, sem explicar o importante papel, que cumprem na segurança e conservação dos alimentos; colocam em causa procedimentos e processos de produção, sem reconhecer as rigorosas análises, estudos, regras e legislação que o setor tem de cumprir e para os quais contribui ativamente.

Facto é que estes são temas que não podem ser trabalhados com argumentos populistas. Hábitos alimentares não se impõem por decreto nem processos se alteram com base em opiniões simplistas.

Exige-se um equilíbrio – que una o bem-estar dos consumidores e a competitividade das empresas –, sedimentado em análises técnicas e científicas validadas.

Neste enquadramento, a indústria agroalimentar tem cumprido o seu papel. Contribui ativamente para avaliações, estudos e pesquisas; colabora com as entidades competentes nacionais e europeias; trabalha com equipas multidisciplinares desde cientistas, engenheiros, técnicos de áreas que vão do alimentar ao ambiente; inova e adapta, sempre que necessário, procedimentos e processos, em prol do consumidor.

Este tem de ser o caminho. O da informação sustentada e das decisões informadas.

Jaba: tradução 4.0

Subscrever a nossa Newsletter

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

ialimentar.pt

iAlimentar - Informação profissional para a indústria alimentar portuguesa

Estatuto Editorial